RESENHA: OS SERTÕES, EUCLIDES DA CUNHA

Capa do livro Os SertõesDando sequência a publicação dos 100 maiores livros da nossa literatura segundo a Revista Bravo!, falaremos hoje de Os Sertões de Euclides da Cunha.
Entre o ensaio científico e a literatura, a obra do engenheiro-escritor surpreende pela descrição da guerra de Canudos e o uso da palavra.
O romance Os Sertões (1902), de Euclides da Cunha, surgiu de uma reportagem encomendada pelo jornal O Estado de São Paulo.

“Antes de continuar lendo a postagem, siga O Vendedor de Livros no Twitter e curta nossa Fan Page no Facebook, e mantenha-se informado e atualizado sobre o que de melhor acontece no Mundo Literário”.

Encarregado de cobrir a Guerra de Canudos (1896-1897), Euclides encontrou nos confrontos entre o Exército brasileiro e um grupo de fanáticos religiosos liderados por Antônio Conselheiro matéria para descrever a geografia e a população do sertão baiano. Vistos como uma ameaça à jovem República brasileira, os seguidores de Conselheiro foram dizimados. “Aquela campanha lembra um refluxo para o passado. E foi, na significação integral da palavra, um crime. Denunciêmo-lo”, afirma o escritor na nota preliminar do livro.
Dividido em três partes – A Terra, O Homem e A Luta - , o livro concentra diversas influências de seu tempo. Teóricos europeus, declaradamente ou não, alicerçam o autor na definição do sertanejo, depreciado pelo embasamento em correntes deterministas – hoje ultrapassadas. A obra, publicada no limiar do século 20, em 1902, de certa forma teria estreita ligação com o naturalismo que a precede, mas apontava para o modernismo que adviria duas décadas depois: o estudo do homem brasileiro seria um dos seus objetivos. Nascido na cidade de Cantagalo (RJ) em 1866, Euclides estudou engenharia na Escola Politécnica do Rio de Janeiro, o que lhe forneceu os instrumentos para a análise e o exame feitos no livro.

Seria impreciso enquadrar a obra em um único gênero. Não se trata apenas de uma relato científico ou jornalístico. O entrecruzamento dessas formas com o emprego do lirismo, de complexas figuras de linguagem e do tom de “ataque franco”, segundo o próprio Euclides, resultou na “bíblia da nacionalidade” – para tomar emprestada a definição do célebre abolicionista Joaquim Nabuco sobre o romance.
Para a literatura brasileira, a grandeza de Os Sertões está obviamente no trabalho de linguagem operado pelo autor, que sob o primeiro plano da objetividade científica, se deixa tomar pela indignação e pelo espanto ante o que testemunha. Euclides via a República de maneira desiludida, identificava as “sub-raças” e prenunciava a sua extinção. Mas a natureza o surpreende quando o período é o das chuvas: “E das caatingas [...]. [...]segue o campeiro pelos arrastadores, tangendo a boiada farta, e entoando a cantiga predileta…Assim se vão os dias. Passam-se um, dois, seis meses venturosos, derivados da exuberância da terra [...]“. Esse deslumbramento alterna-se com o retrato da seca, o “martírio secular da terra”. A proliferação de antíteses se dá também em outros níveis da obra, uma das razões que levam os críticos a ver um “barroco científico” moldando a narrativa.
É de um Euclides observador preciso e rigoroso e plenamente hábil na construção de imagens que José Lins do Rego e Graciliano poderão herdar, cada um a sua maneira, as bases de um regionalismo maduro.
Até sua morte no Rio de Janeiro, em 1909 – morto em duelo com o amante da mulher – , Euclides ainda publicou o livro Contrastes e Confrontos (1907) e à Margem da História (1909) que foi lançado postumamente.

Crítica retirada da Revista Bravo!

Um abraço a todos e boas leituras!

Wellington Ferreira, é um vendedor de livros extremamente apaixonado pelo que faz. Não consegue se imaginar mais vivendo longe deles. Além disso, é blogueiro nas horas vagas e corinthiano fanático (e dos loucos) em período integral. Atualmente trabalha como consultor de vendas em uma distribuidora de livros e presta assessoria de mídias sociais para empresas. Interessados, é só entrar em contato.

7 comentários

  1. Li, votei, estou seguindo e fazendo o link de divulgação.
    Parabéns.
    Como fã aqui voltarei.
    Abraço.

    responder
    1. Obrigado amigo pela divulgação!

      responder
  2. Só faltou um]a caracteristica da resenha, a Bibliográfia!

    responder
  3. Pois é, como o próprio artigo informa, seria impreciso enquadrar a obra em um único gênero. Não se trata apenas de uma relato científico ou jornalístico.

    Fantástico Euclides da Cunha!

    responder
  4. esse livro trata de uma uma obra sintética fósforica de cunho arquico delimitado pela influencia politica cultural e filosofica da epóca.

    responder

Deixe um comentário